Recaída não é o fim do mundo, mas parte do processo


Recaída não é o fim do mundo, mas parte do processo

Quem já passou por um tratamento de dependência química sabe que algo muito difícil de lidar é a recaída tanto para ele quanto para sua família. Mas isso não é motivos para ter desespero, pois isso faz parte do processo e é importante para o paciente compreender quais são os gatilhos que o faz voltar a sentir a necessidade de beber ou usar drogas como era antes do tratamento.

Diferença entre recaída e o que não é considerado recaída
Quando um dependente tem recaída ele passar a consumir álcool ou usar drogas enquanto está fazendo o tratamento ou após. O padrão de consumo é o mesmo de antes do tratamento bem como o comportamento.

A não recaída é um ato isolado que acontece uma única vez. Para os familiares perceber que aquele ente querido voltou a consumir a bebida ou a droga como antes é um tremendo balde de água fria, pois todo aquele sentimento positivo que surgiu enquanto o paciente se recuperava acaba no momento que a notícia é recebida.

Geralmente é nesse momento que acaba nascendo a crença que o tratamento não deu certo e que todas as esperanças foram perdidas. Mas esse é um tremendo engano.

A recaída realmente pode ser um fator importante que ajude o paciente a entender quais os limites que ele possui em relação a droga, qual o tipo de comportamento que o leva a usa-la novamente, quais situações provocam o desejo de usar ou facilitar seu consumo. Ou seja, mesmo num momento que a família costuma ficar desesperada ou assustada pode ser bem importante para o processo de recuperação.

O sentimento de frustração também não deve fazer parte da família ao achar que isso somente acontece com ela. Muito pelo contrário, diversas pesquisas apontam que 80% dos viciados que resolvem tratar sua dependência acabam recaindo no uso após algum tempo.

Podemos dar um exemplo bem simples disso: alguém que gosta muito de doce e que está tentando emagrecer. Fazer uma dieta é quase que impossível. Dar aquela escapulida para a geladeira tarde da noite de vez em quando também é algo natural. Com a droga essa vontade louca também é similar, mas em proporções diferentes.

Dessa forma, o melhor a fazer é manter a calma e confiar naquele tratamento que está em andamento ou então procurar ajuda profissional novamente caso o tratamento tenha sido finalizado.

Entramos em contato

Blog

Bebo cerveja todo dia posso ser um alcoólatra?

Bebo cerveja todo dia posso ser um alcoólatra?

Algumas pessoas se preocupam com o seu consumo de álcool e se questionam se “Bebo cerveja todo dia posso ser um alcoólatra?

O que um drogado é capaz de fazer

O que um drogado é capaz de fazer

Muitas pessoas, em especial as pessoas mais jovens, têm sido vítimas de algum tipo de depenência química.

Como conviver com um filho drogado

Como conviver com um filho drogado

Sabemos que o mundo todo enfrenta o drama com as drogas. A cada dia o tráfico de entorpecentes espalha seus tentáculos no intuito de levar mais e ma

O que fazer quando um dependente químico tem recaída?

O que fazer quando um dependente químico tem recaída?

Você sabia que a recaída de álcool e drogas é bem comum? E essa é uma situação muito preocupante, tanto para a família quanto para os próprio

Aceitamos diversos planos de saúde consulte
Planos de saúde
Podemos Ajudar?